Fato Real
Gerais

Vítima fatal de acidente na 040 era professor e ativista em defesa de melhoras na rodovia

Professor Vitor Franco
Professor Vitor Franco

Foi identificado, ainda na noite desta segunda-feira (19/10), o motociclista que morreu na colisão de sua moto com um caminhão na BR-040, no perímetro urbano do Município de Congonhas. Engenheiro químico e professor universitário, Vitor Franco sabia dos riscos diários enfrentados por quem é obrigado a transitar diariamente pela estrada e se preocupava com as vidas interrompidas pela insegurança da rodovia. Anos atrás, criou nas redes sociais, juntamente com o amigo Alisson Caio Rezende, a página “BR 040 com muretas já ”, na qual ressaltavam a necessidade urgente da colocação de um canteiro para impedir o cruzamento das pistas e evitar a ocorrência de colisões frontais.

Vítor era professor do curso de Engenharia Química no Centro de Ensino Superior (CES) em Lafaiete.

Em entrevista ao Site de Notícias Fato Real, Alisson Caio contou que a página foi inspirada pela morte precoce de outro amigo, resultante de acidente na BR-040. Desde então, ele e Vítor se uniram à luta pela duplicação da estrada entre Conselheiro Lafaiete e Belo Horizonte: “A esperança cresceu quando houve a privatização, mas nada foi feito. Preferiram duplicar um trecho lá em Goiás onde nem movimento tem. Eles ignoram o trecho mais cruel da rodovia, que é entre BH e Lafaiete. De Lafaiete a Barbacena não se veem acidentes tão graves; a gente até sabe quais são os pontos de maior perigo. Mas, de Lafaiete a Belo Horizonte, nenhum ponto é seguro. São colisões frontais constantes e é gente morrendo todo dia”.

Amigos lutavam juntos por melhorias na BR 040
Amigos lutavam juntos por melhorias na BR 040

Grande amigo de Vítor, seu companheiro em constantes passeios de moto pela região, Alisson Caio divulgou um vídeo, poucas horas após o acidente fatal, prometendo que a página em defesa do aumento da segurança na BR-040 vai continuar ativa e manifestou a esperança de não morrer antes de ver a pista finalmente dividida por uma mureta de proteção a fim de que não se repitam tragédias como a que provocou a perda do seu “irmão de alma”: “Isso é uma vergonha! O Vitor foi assassinado pelo descaso das autoridades em relação a nós todos e pela irresponsabilidade de alguém que cruzou a pista em local proibido. Era um cara do bem e responsável; meu colega de trabalho, meu colega de estrada, meu irmão do coração!”, desabafou.

Para conhecer mais sobre a iniciava que cobra muretas na BR 040 acesse a página no Facebook: BR 040 com muretas já.

Sepultamento

O professor Vitor Franco deverá ser velado e sepultado em Sete Lagoas, onde mora a família.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!