Fato Real
Destaque

Secretária nega ilegalidade em vacinação de equipe do CCZ e setores administrativos em Lafaiete

Secretária afirma que equipe segue protocolos e normas técnicas
Secretária afirma que equipe segue protocolos e normas técnicas

A secretária municipal de Saúde, Rita de Kássia Silva Melo, respondeu aos questionamentos de parte da população de Conselheiro Lafaiete a respeito da transparência no processo de vacinação contra a Covid-19. Vereadores do município pediram a a lista com os nomes dos vacinados contra a doença na cidade, com o objetivo de apurar denúncias de que pessoas fora dos grupos prioritários estariam sendo imunizados, entre eles, servidores públicos municipais.

Em entrevista a jornalista Gina Costa no “Jornal Falado Carijós” na manhã desta quarta-feira (17/03), Rita informou que a lista fica disponível na Central de Vacinação, mas que ela não pode ser disponibilizada publicamente, segundo orientações jurídicas: “A lista não é pública, visto que tem nome, endereço e documentos pessoais. Para ter acesso é exigida uma formalização. Os vereadores entraram com essa formalização e será repassada a eles com toda a formalidade jurídica para a averiguação dos servidores e das pessoas imunizadas”.

CCZ

Nos últimos dias, houve reclamação de parte da população a respeito da vacinação dos trabalhadores lotados no Centro de Controle de Zoonoses, inclusive feita pelo cidadão Wesley Zeferino, que se popularizou por fazer denúncias usando vídeos em Lafaiete.

Segundo Rita de Kássia, no CCZ  agentes de combate a endemias trabalham no local para controlar as doenças transmissíveis entre animais e humanos.  Esses servidores fazem parte do grupo de profissionais que possuem acesso ao imunizante, por estarem em um órgão alocado dentro da Secretaria de Saúde. Eles foram elencados na lista prioritária para a vacinação em fevereiro, durante a entrega da segunda remessa.

Segundo orientação da Nota Informativa da vacinação contra a Covid-19 no estado de Minas Gerais de 27/01, todos os trabalhadores da saúde serão contemplados com a vacinação (inclusive os veterinários);  entretanto a ampliação da cobertura desse público será gradativa, conforme disponibilidade de vacinas.  Logo, segundo a secretária, não há ilegalidade na imunização dos profissionais do Centro de Controle de Zoonoses.

Setores administrativos

Rita de Kássia esclareceu também que, segundo nota técnica de janeiro de 2021, todos os setores e secretarias de Saúde que têm contato com o público estão descritos como prioritários para receberem o imunizante. O Fato Real vem recebendo questionamentos de funcionários de setores administrativos que teriam sido vacinados contra a Covid-19.

Funcionários como atendentes de farmácias e de clínicas, funcionários de consultórios médicos e odontológicos, e outros que atuam na área de saúde entraram nessa nota. Para tomar o imunizante é necessário comprovante de vínculo ativo com o serviço.

Os imunizantes chegam especificados para os grupos prioritários em relação à idade e outro para os trabalhadores de saúde, não há prejuízo para a vacinação dos idosos, segundo a secretária.

N.R : Ao contrário do que inicialmente foi divulgado, a  secretária Rita de Kássia informou  que ela não recebeu a vacina contra a Covid-19.  Rita de Kássia Silva Melo é formada em enfermagem e cadastrada no Conselho Regional de Enfermagem (Coren-MG) e se enquadra na descrição de atendimento ao público e exposição ao risco de contaminação. Portanto, teria autorização para a imunização. No entanto, diante do cenário ela disse que optou por não ser vacinada neste momento.

Rita informou ainda que o prefeito também não foi vacinado. Mário Marcus tem 58 anos e não se encaixa nos grupos inicialmente priorizados.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!