Coluna #Elisa Lopes

Um NOVO tempo

O ano de 2018 foi mais um ano eleitoral marcado pela polarização política, brigas ideológicas, mentiras e baixaria. Mas a maioria dos eleitores mostrou que não aguenta mais este tipo de política, que não aguenta mais a velha política .

Em Minas Gerais elegemos um novato para o governo e na presidência a guinada foi de 360°. No campo do Legislativo a renovação no Congresso Nacional foi a maior nos últimos 20 anos com 52%. Na Assembleia de Minas o índice foi de 40%, um pouco menor, mas bem significativo, principalmente se contar que alguns parlamentares já estão “causando” antes mesmo de assumir como é o caso do Cleitinho de Divinópolis que se recusa a utilizar auxílio moradia e pretende viajar todos os dias entre uma cidade e outra e já avisou que pode dormir no gabinete. Também temos os três parlamentares eleitos pelo partido do governador que já avisaram que vão fazer cortes significativos nas despesas do gabinete. Estamos entrando numa nova era: a era do respeito ao dinheiro público.

Um click para nossa coluna na posse do governador Zema

Nesta lógica de respeito ao dinheiro público é que Romeu Zema vai iniciar seu governo em Minas Gerais. Zema declarou que seu primeiro ato será transformar a residência oficial do governo, o Palácio das Mangabeiras, em Museu. Não faz sentido um governador viver no luxo enquanto os servidores não recebem seus salários em dia e a população não tem acesso a serviços essenciais de competência do estado. Essa é um das medidas entre várias que serão tomadas ao longo de seu mandato demonstrando seu compromisso com a população. Outro ponto forte de seu governo será a relação republicana com a Assembleia , Zema disse que vai visitar a Assembleia todos os meses e que as relações com os deputados não serão de troca de favores ou cargos em seu governo. Algo que deveria estar acontecendo desde sempre, pois se há uma coisa que precisa ficar clara é que o Legislativo tem a função de propor leis e fiscalizar o Executivo, portanto não pode haver troca entre os dois poderes.

E é neste contexto que ansiosamente aguardamos as tão sonhadas mudanças na forma de se fazer política. A resposta dos eleitores nas urnas foi surpreendente ao quebrar uma alternância de poder entre dois partidos tradicionais e confiar nos projetos e ideias de um gestor estreante na política.

O surgimento dos novos inconfidentes reacendeu em Minas o lema de sua bandeira: Liberdade ainda que tardia! E que venha um novo tempo em 2019.

Elisa Lopes
Administradora, Consultora de Negócios e Professora Universitária.
elisalopes1@hotmail.com

A Coluna #Elisa Lopes é patrocinada por: