Fato Real
Lafaiete

Hospital São Camilo precisa, com urgência, de 200 mil reais para não fechar as portas

Grupo busca alternativa para crise no São Camilo

Durante reunião realizada nesta segunda-feira (02/06), à qual estiveram presentes representantes da área de saúde e vereadores , a direção do hospital São Camilo tornou pública a preocupante situação da instituição, considerada referência em geriatria na região.  Apesar de o convite para a reunião desta segunda-feira ter sido estendido a todas as cidades que se beneficiam dos serviços prestados pelo hospital São Camilo, apenas vereadores de dois municípios estiveram presentes (Lafaiete e Itaverava). Também compareceu representante do deputado federal Pe.João (PT) .

R$200 mil para não fechar

Filomena Cardoso confirmou a situação dramática do hospital

Ouvida pelo Portal de Notícias Fato Real, a atual presidente, Filomena Cardoso, confirmou que o hospital precisa, com urgência, de, no mínimo, 200 mil reais para que a entidade consiga, pelo menos, respirar nos próximos três meses, mesmo com dificuldade, e não seja forçada a fechar as portas imediatamente: “Nossa realidade é muito complicada. Desde janeiro, nossa receita só vem caindo em consequência dos problemas que o secretário municipal de Saúde anterior de Lafaiete causou ao hospital. Com a entrada da Rita de Kássia, as coisas começaram a voltar à normalidade. Ainda assim, os próximos três meses serão extremamente difíceis pra gente. Estamos praticamente sem verba em razão da defasagem acumulada nos cinco meses anteriores. Neste período houve poucas internações e o hospital, que já trabalhava no vermelho, ficou em uma situação insustentável”.

Filomena Cardoso comentou o quadro inusitado que chamou a atenção do Fato Real e membros da Câmara de Vereadores, que chegaram a relatar o caso: Enquanto a Policlínica Municipal estava superlotada, sem condições de atender à demanda excessiva, o hospital São Camilo permanecia com leitos ociosos. Filomena preferiu não responder diretamente  se houve um boicote durante a gestão do Secretário Municipal de Saúde anterior: “Nós também questionávamos o porquê da não internação de pacientes no São Camilo. Parece que estava havendo uma barreira às transferências; não sei se foi boicote, mas alguma dificuldade estava havendo. Os  problemas foram se acumulando. Para este mês já estamos com dificuldades para pagar aos funcionários, honrar encargos sociais, comprar medicamentos. Nossa despesa mensal varia de 180 a 220 mil reais, mas a receita não passa de 30 a 45 mil reais por mês. Antes, ainda contávamos com verbas de emendas parlamentares que reduziam um pouco o buraco, mas até estas verbas deixamos de receber nos últimos dois meses. A previsão para voltarmos a receber estes recursos é só no fim do ano”.

Sugestões

Vereador Divino Pereira se dispôs a colaborar financeiramente

Durante a reunião, foram feitas sugestões para tentar arrecadar os 200 mil reais de que o hospital São Camilo necessita com urgência. Entre elas, a realização de rifas, leilões e eventos com renda revertida para o hospital. Também houve o apelo para que empresários e políticos façam doações em dinheiro. Lideranças políticas se comprometeram a buscar a intermediação dos deputados estaduais e federais votados em toda região, para que incluam o São Camilo em suas emendas parlamentares. Esta opção seria para longo prazo, já que o tempo hábil para as indicações de emendas a serem liberadas ainda em 2019 já teriam tido o prazo esgotado.

Outra sugestão é que a Câmara Municipal de Conselheiro Lafaiete faça antecipação da sobra de recurso do Legislativo, que geralmente ocorre no final do ano.  Não ficou claro se esta ação é possível com tantos meses de antecedência.

Ações devem ser imediatas para evitar fechamento do hospital

Mas, o que preocupa Filomena Cardoso é que nenhuma solução a curto prazo foi apresentada, até o momento, para livrar o a instituição filantrópica do risco iminente de fechamento. A presidente do Conselho Diretor disse que percebe a disposição do próprio prefeito Mário Marcus e da secretária municipal de Saúde, Rita de Kássia Silva Melo, em ajudar, mas ressaltou que o momento é de menos discurso e mais atitude. Ela disse que não vê como manter o hospital nos próximos meses.

Críticas

Ao rebater críticas à atual gestão do hospital, Filomena Cardoso pediu à sociedade que ajude o São Camilo e apoie a futura diretoria, que deve ser eleita este mês: “Pra quem está de fora é muito fácil criticar, mas considero uma vitória e prova de competência o hospital estar funcionando até hoje, mesmo trabalhando só no vermelho. Só quem enfrenta este dia a dia de sufoco e falta de dinheiro, fazendo 90% de atendimentos pelo SUS e com 70% do total de pacientes constituído por idosos, é que pode avaliar. Peço à população, às autoridades, deputados, vereadores e prefeitos da região, que ajudem à nova diretoria que está chegando.”

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!